País pretende atingir 150 milhões de cabeças de gado vacinados contra a febre aftosa em 2016

Categoria: Geral | Publicado: terça-feira, dezembro 20, 2016 as 09:04 | Voltar

O controle da doença é fundamental para a pecuária, que faz do Brasil o maior exportador global de carne bovina, com mais de 20% das vendas internacionais

Até o fim do mês, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) espera que a vacinação contra a febre aftosa no país atinja 150 milhões de cabeças de gado (bovinos e búfalos). A campanha, feita em duas etapas – entre março e novembro –, teve seu término prorrogado (meados de dezembro) para parte de Minas Gerais, Maranhão, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

Conforme o Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), os estados que encerraram a campanha no prazo (novembro) têm até 30 de dezembro para enviar o relatório sobre o número de animais vacinados. O produtor que não vacinar o rebanho será multado (o valor é definido por cada estado e aplicado por cabeça de gado), não poderá transitar com os animais e tampouco comercializar carne e derivados de leite.

A vacinação requer uma série de cuidados, como o uso de seringas e agulhas limpas e não danificadas e a dose correta do produto (5 ml) aplicada na lateral do pescoço do animal (Foto: Thinkstock)

Hoje o país não sofre mais com a contaminação causada pelo vírus pertencente ao gênero Aphtovirus, que se espalha rapidamente pelo ar e no raio de 20 quilômetros, dando início a um processo altamente contagioso que leva os animais a perderem peso e ficarem fracos. Se não estivesse sob controle, a doença poderia provocar prejuízos enormes para a atividade. Com um rebanho de 212 milhões de cabeças, o Brasil é o maior exportador global de carne bovina, com mais de 20% das vendas internacionais.

Em 2018, o Brasil espera receber a certificação de “país livre da febre aftosa com vacinação”, da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE). Santa Catarina é o único estado reconhecido pela organização como “zona livre de aftosa sem vacinação”.

Publicado por: kventorim@semagro

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.